Cameco call

Semana passada houve a conferência mais importante do trimestre para pessoas que, assim como eu, acompanham o mercado de urânio bem de perto. Estou falando da apresentação dos resultados da canadense Cameco, maior mineradora de urânio listada em bolsa – pelo menos por enquanto, já que a cazaque Kazatomprom deve ser listada em breve na Bolsa de Valores de Londres e Astana.

Não vou entrar no mérito da empresa em si, mas os insights que os executivos compartilharam durante o call são inestimáveis e valem a pena ser revistos. A empresa pôs a maior mina de urânio do mundo, a McArthur River Mine, em manutenção por tempo indeterminado há poucos meses, afirmando que o preço da commodity está bem abaixo do ponto de equilíbrio. Em função disso, ela está recorrendo ao mercado spot para comprar o metal e cumprir os contratos já firmados. Tudo isso faz com que ouvir o que esses executivos estão pensando e sentindo do mercado se torne uma obrigação.

A primeira coisa que percebemos é que a empresa deu lucro no trimestre, com um preço de venda médio de US$47,80 – 65% acima de onde está agora no mercado spot. O preço médio bem acima do mercado se deve a contratos antigos com valores bem mais altos. Grande parte do lucro da empresa veio da compra de urânio no mercado spot (atualmente no ponto mais alto dos últimos 2 anos e meio, mas ainda assim bem abaixo de onde deveria estar) e a subsequente venda pelo preço contratual. Segundo a empresa, é mais vantajoso comprar o metal nesses níveis para honrar contratos do que produzir.

É importante também ter em mente que a companhia não inclui a depleção no cálculo do seu custo, ou seja, o preço de venda deve ser bem acima de US$50 para que ela própria seja lucrativa e sustentável. Para uma empresa que não tem minas da qualidade que ela tem, que são as mais ricas e concentradas do mundo, o preço pode chegar a US$60. É necessário investimento em exploração (o que a Cameco e outras vêm reduzindo drasticamente nos últimos anos) para encontrar novos depósitos e evitar que a empresa desapareça uma vez esgotado o minério das atuais minas.

A Cameco anunciou que deverá ir ao mercado ainda esse ano para comprar entre 1 e 3 milhões de libras de urânio para honrar contratos, ou seja, há a perspectiva de maior demanda pela commodity no curto-prazo também. Além disso, a empresa já tem firmado contratos de venda para pelo menos 27 milhões de libras de urânio físico em 2019, o que implica uma demanda entre 10 e 12 milhões de libras no mercado spot ano que vem só por parte dela.

A empresa também anunciou que o preço do urânio, embora já tenha subido mais de 40% desde as mínimas registradas nesse ano, ainda não chegou ao patamar que justifique a reativação da produção de McArthur River Mine, que além de ser a maior, é a mina que detém maior concentração do metal.

Estamos vendo um mercado cada vez mais apertado, com menos vendedores. Chego a pensar que a Cameco pode até ser surpreendida por um aumento súbito nos preços e um lag entre a volta da produção de McArthur River Mine e a falta de metal para compra no mercado spot.

Os executivos disseram no call que não sabem o que pode acontecer nos EUA com a solicitação da Section 232, mas que estão preparados para o pior, seja pela imposição de quotas de importação ou de sobretaxas. Lembrando que a Cameco desativou todas as suas minas nos EUA há alguns anos, devido ao baixo preço do metal e à inviabilidade econômica dos projetos.

Ao comentarem sobre a percepção que têm do mercado spot, os executivos disseram que não está havendo um volume de venda grande e que o mercado, sabendo que a Cameco está com a intenção de comprar em grande quantidade, acaba não “mostrando” o lote e retendo o material. Isso faz sentido, afinal, se sabemos que há um comprador grande interessado, por que vender mais barato?

A empresa também não está vendo mudança no processo de underfeeding no momento, mas acredita que esse movimento deva diminuir mais pra frente, o que deve pressionar ainda mais o preço do urânio.

No momento existem 55 reatores sendo construídos no mundo, o que implica a necessidade de se produzir pelo menos 45 milhões de libras adicionais do metal por ano. Um retrato do mercado hoje revela uma produção que não chega a 140 milhões de libras e um consumo que se aproxima rapidamente dos 200 milhões de libras/ano. É um caso clássico de demanda aumentando, oferta diminuindo, enquanto o preço da commodity está muito distante do ponto de equilíbrio. A oportunidade está aí, só não aproveita quem não quer.

 

Esse texto reflete a opinião do autor e não constitui uma sugestão, recomendação, indicação e/ou aconselhamento de investimento. Nenhuma decisão de investimento deve ser tomada com base nas informações ora apresentadas, cabendo unicamente ao investidor a responsabilidade sobre qualquer decisão que venha a tomar.

As opiniões expressas nesta publicação são baseadas em julgamentos e estimativas, estando, portanto, sujeitas a mudança, sem contudo implicar na obrigação de qualquer comunicação acerca de atualização ou revisão.

O autor reconhece ter o ativo mencionado nesse publicação em sua carteira proprietária e/ou na de clientes sob sua gestão remunerada.

Comentários

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios
Pesquisar
Publicações Recentes
Sem categoria

Energia Limpa, sim senhor!

Essa semana fomos surpreendidos por temperaturas muito abaixo do normal até mesmo para essa época do ano em várias regiões dos EUA, com destaque para

Continuar lendo

Contato

Brasil
Vila da Serra, Nova Lima - MG
CEP: 34.006-059

Dev by

É recomendada ao investidor a leitura cuidadosa do prospecto e do regulamento ao aplicar os seus recursos. A L2 Capital Partners não comercializa cotas de fundos e/ou clubes de investimento ou qualquer ativo financeiro. Conheça nossa Política de Voto.