Wardenclyffe Tower

Há mais de um século, um famoso e notório inventor achou que tivesse tido uma ideia inovadora e futurística: uma máquina para transmitir energia através do planeta Terra.

Sem entrar nos detalhes, ele achou que tal máquina, além de transmitir energia, iria brilhar (literalmente) e iluminar cidades.

Em 1900, foi então para Nova Iorque e tentou levantar recursos para seu ambicioso projeto. Apesar de outra tecnologia ter surgido na época para a transmissão de dados por meio de rádio (Marconi), o inventor achou que a sua tecnologia, embora nunca testada e muito mais cara, fosse superior.

Encontrou-se com grandes personalidades e empresários como George Westinghouse, John Jacob Astor e JP Morgan que, após vários encontros e discussões, aceitou investir US$150 mil no seu projeto.

Em 1901, após receber os recursos de JP Morgan, comprou geradores e transformadores da Westinghouse. Após esse investimento inicial, o inventor ficou sabendo que a tecnologia de Marconi atingiu níveis de transmissão que antes eram praticamente impossíveis. Isso desanimaria qualquer investidor, mas não abalou o inventor. Muito pelo contrário, ele resolveu dobrar a aposta e escalar ainda mais o projeto.

Como ele precisaria de mais capital e achou que somente a transmissão de energia não seria suficiente para capturar o interesse de novos investidores, decidiu que seu projeto também transmitiria voz e imagem. E foi gastando os recursos.

Quando soube disso, JP Morgan decidiu não investir mais e ainda pediu contas do seu investimento. Mas o inventor não se abalou e resolveu seguir adiante, comprando cerca de 80 hectares de terra em Long Island, onde começou a construção da Wardenclyffe Tower.

Obviamente, com a falta de dinheiro, o projeto empacou (apesar da Torre ter sido construída). O inventor então começou a pedir, implorar e, no final acusar JP Morgan de causar o problema.

Para despertar o interesse, ele ainda mentiu descaradamente, dizendo que estava trocando mensagens com a Escócia. Também, às vezes, ligava algumas luzes na Torre para dizer que o projeto estava vivo. Ousou até a afirmar que estava recebendo sinais de Marte!

Uma vez que as mentiras foram descobertas, houve uma corrida para a saída, fazendo com que empresas recusassem contratos e não houvesse mais empréstimos. A imprensa, que até então era bem favorável ao inventor, mudou de posição e começou a questionar coisas que antes eram impensáveis.

Os problemas financeiros levaram o inventor a ter um ataque de nervos em 1906. Em 1915, anos após o abandono do projeto, George Boldt, proprietário do hotel Waldorf-Astoria, local onde morava (e levava uma vida extravagante), executou uma hipoteca e ficou com o terreno e com a Torre. Como a Torre não servia para nada, ela foi demolida no ano seguinte e vendida como sucata. O inventor morreu muitos anos depois, na pobreza.

Ah, o nome dele? Nikola Tesla.

Ele é o inspirador para uma nova, mas – na minha opinião -, repetida história. A história de Elon Musk, CEO da empresa que leva o nome e, de novo, na minha opinião, o mesmo futuro de Nikola Tesla: a falência.

Os ingredientes estão todos aí: um projeto bem interessante, que se torna megalomaníaco, mentiras para todos os lados, escalabilidade para poder chamar a atenção (teve até Marte na jogada, onde o falso profeta pretende se aposentar), recentes imbróglios com a imprensa, necessidade de capital constante e pouca coisa em retorno.

De maneira alguma estou querendo comparar o gênio de Nikola Tesla com Elon Musk. Um nos proporcionou o uso da eletricidade, raio-X, controle remoto e outras invenções que modelaram o mundo moderno. O outro teve sorte de estar no Paypal ao mesmo tempo que Peter Thiel e, embora tenha sido demitido (antes que ele afundasse a empresa, como vai fazer com a Tesla), levou a fama de visionário.

Comentários

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios
Pesquisar
Publicações Recentes
Sem categoria

Energia Limpa, sim senhor!

Essa semana fomos surpreendidos por temperaturas muito abaixo do normal até mesmo para essa época do ano em várias regiões dos EUA, com destaque para

Continuar lendo

Contato

Brasil
Vila da Serra, Nova Lima - MG
CEP: 34.006-059

Dev by

É recomendada ao investidor a leitura cuidadosa do prospecto e do regulamento ao aplicar os seus recursos. A L2 Capital Partners não comercializa cotas de fundos e/ou clubes de investimento ou qualquer ativo financeiro. Conheça nossa Política de Voto.