Parte 1 de 3: Conversa com Stanley Druckenmiller

Semana passada estive em uma Conferência privada em Nova Iorque, onde estavam, dentre outros, Stanley Druckenmiller e Bill Ackman (quando esse fez seu primeiro pitch de compra da Starbucks e anunciou que havia investido na empresa).

Sempre admirei Druckenmiller e ele foi uma das pessoas que me fizeram entrar nesse ramo. Sua clareza e simplicidade ao conversar se destacam em meio a vários outros gestores e economistas. Ele tem sem dúvida o melhor track record no setor. Por 30 anos, entregou resultados médios na casa dos 30%, sem nunca ter tido uma queda anual. Realmente impressionante!

Ele era o gestor de fundos do Quantum Fund, de George Soros, quando esse fez sua aposta bilionária contra a libra esterlina. A tese de investimento e a posição inicial foram de Druckenmiller – Soros gostou tanto da tese que resolveu investir todo o patrimônio do fundo nesse trade e ainda alavancar, o que fez com que eles ganhassem mais de US$1 bilhão com essa posição em um curto espaço de tempo. Druckenmiller veio com a tese, Soros levou a fama – sem dúvida, também merecida.

Druckenmiller é famoso por mudar suas posições rapidamente, sem criar vínculos ou apegos emocionais com elas. É um trader, em sua essência. Segundo o próprio, “provavelmente, uma dos meus maiores ativos nesses últimos 30 anos é que eu sou bastante “cabeça-aberta” e posso mudar minha opinião rapidamente”.

Existem vários casos que eu poderia mencionar, mas o mais emblemático e recente foi com o ouro – eu, particularmente, acompanhei esse de perto, pois estava investido no metal. No final de 2017, Druckenmiller havia posicionado seu Family Office, o Duquesne Capital Management, em ouro. Não somente em ações, mas também em calls (opções de compra) – foi um investimento bastante arrojado, eu diria. Horas após o resultado das eleições, ele já havia vendido toda a sua posição e disse que os motivos pelos quais ele comprou, não estavam mais lá e manter essa posição não fazia mais sentido. E assim, sem a menor dor na consciência, ele resolveu vender. Ao final de janeiro, ele já havia refeito sua posição e comprado mais ouro.

Muitas pessoas esperam ansiosas pelo seu formulário 13-F – os formulários 13-F são aqueles em que os maiores gestores do mundo divulgam suas posições em ações americanas para a SEC (a CVM americana). Druckenmiller diz que isso não funciona para as pessoas que querem acompanhá-lo, pois, quando os formulários forem reportados à SEC, ele provavelmente já terá mudado de posição.

Escreverei três artigos essa semana e os publicarei nos próximos dias sobre as visões dele sobre mundo, trading, política e, claro, sobre o Brasil. Esse será o primeiro da série. Pois então, vamos direto ao assunto.

Segundo Druckenmiller, estamos fazendo uma transição de uma situação em que o dinheiro era praticamente “de graça” para uma em que há um custo, embora pequeno. Essa mudança tornará o mundo bem diferente daquele ao qual estamos acostumados e as consequências serão imprevisíveis (embora tenha algumas posições interessantes).

Assim que os balanços dos Bancos Centrais (BCs) começarem a diminuir, ou seja, quando a liquidez injetada ao longo da última década for retirada dos mercados, e ele acredita que isso acontecerá rapidamente, as taxas de juros devem começar a subir com mais força. O FED já está enxugando o dele consistentemente e a um ritmo crescente, o BC Europeu deve começar em dezembro e o Banco Central Japonês também está em processo de contração monetária.

Obviamente, apesar de ele não ter falado nada a respeito, eu imagino que o Banco da Inglaterra não conseguirá suprir sozinho toda essa “oferta” que está saindo do mercado e que as taxas de juros realmente começarão a subir – aliás, já vêm subindo há algum tempo.

Mas isso não deveria ser uma grande notícia – até mesmo o FMI e o BIS (Bank for International Settlements) já haviam se pronunciado a respeito e estamos vendo os efeitos dessa alta de juros em vários mercados, a começar pelos mais fracos (ou mais especulativos): criptomoedas desmoronando, ações de empresas com alto custo de capital caindo, mercados emergentes sofrendo, etc.

Ele disse que Paul Volcker, presidente do FED de 1979 a 1987, teve que lidar com uma alta inflação e fez de tudo para combatê-la. Já Ben Bernanke, que comandou o BC americano de 2006 a 2014, imaginou que haveria deflação nos Estados Unidos e fez de tudo para combatê-la – uma espécie de Don Quixote, já que a deflação foi somente imaginária.

O mal que Bernanke fez ao adotar políticas de estímulo é irreparável e destruiu a maneira como o capitalismo funciona, causando um mau comportamento dos agentes de mercado, que desprezaram o risco e se fixam somente no retorno dos investimentos. Quando o crash vier, segundo ele, vários problemas estruturais aparecerão.

A conversa foi bastante proveitosa e continuo na próxima edição contando um pouco mais sobre esse empolgante encontro.

Comentários

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios
Pesquisar
Publicações Recentes
Sem categoria

Energia Limpa, sim senhor!

Essa semana fomos surpreendidos por temperaturas muito abaixo do normal até mesmo para essa época do ano em várias regiões dos EUA, com destaque para

Continuar lendo

Contato

Brasil
Vila da Serra, Nova Lima - MG
CEP: 34.006-059

Dev by

É recomendada ao investidor a leitura cuidadosa do prospecto e do regulamento ao aplicar os seus recursos. A L2 Capital Partners não comercializa cotas de fundos e/ou clubes de investimento ou qualquer ativo financeiro. Conheça nossa Política de Voto.