DC: “Ouro, um bom investimento em mercado instável”

Leonardo Francia

Tradicionalmente conhecido como um “investimento seguro”, o título do ouro ganha força em tempos de crises econômicas e agora não é diferente. Além de ser um objeto de desejo para as pessoas devido ao caráter histórico ligado a joias e coroas, o metal precioso, mesmo se não valorizar no mercado financeiro, pelo menos não sofre grandes variações, o que traz uma característica de estabilidade para investidores.

Com as crises internacionais, especialmente a partir da quebra do banco nova-iorquino Lehman Brothers, em setembro de 2008, que levou à crise econômica mundial durante 2009, e mais recente, com o rombo fiscal dos Estados Unidos e a crise na Europa, e, agora, com a crise econômica nacional, o ouro ganhou ainda mais força como investimento seguro.

Para se ter uma ideia, o preço da onça troy de ouro para negociação nas bolsas internacionais caiu de uma média de US$ 1.406,00 em 2013, para US$ 1.264,00 em 2014, e para US$ 1.182,00 até agora neste ano, uma queda acumulada de 16%. Mesmo assim, essa retração não tira o caráter de estabilidade do metal, tendo em vista que no mesmo período o preço do minério de ferro caiu mais do que pela metade.

Para o presidente da Associação Brasileira para o Progresso da Mineração, José Mendo Mizael de Souza, a retração das cotações do metal precioso reflete apenas uma reação pontual do mercado ao cenário mundial atual, com crises em alguns países da Europa e desaceleração do mercado da China, maior produtor de ouro. “Historicamente, o ouro sempre será um metal desejado pelo ser humano e tem diferentes usos, como na indústria e como investimento financeiro. Sempre haverá demanda e o comportamento humano continua essencialmente o mesmo”, disse.

 

Demanda – Sob a ótica da indústria, em função da manutenção da demanda devido às características do metal, que pode ser usado pela indústria ou como insumo para o setor joalheiro, além de ser “desejado” pelas pessoas, também continua em alta. Para mineradoras instaladas no País, Souza acredita que a estratégia mais adequada é manter a produtividade e repor reservas.

Do ponto de vista financeiro, o ouro, na avaliação do analista do Banco Geração Futuro Rafael Weber, continua sendo um investimento seguro. “Mas há que se tornar cuidado com a liquidez do metal como reserva de valor”, alertou.

Para o Estado, maior produtor e exportador nacional de ouro, o metal também é um produto fundamental para a balança comercial. Conforme dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), no acumulado deste ano até agosto, Minas vendeu 1,7 tonelada a mais do que no mesmo período um exercício antes.

Comentários

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios
Pesquisar
Publicações Recentes
Sem categoria

Energia Limpa, sim senhor!

Essa semana fomos surpreendidos por temperaturas muito abaixo do normal até mesmo para essa época do ano em várias regiões dos EUA, com destaque para

Continuar lendo

Contato

Brasil
Vila da Serra, Nova Lima - MG
CEP: 34.006-059

Dev by

É recomendada ao investidor a leitura cuidadosa do prospecto e do regulamento ao aplicar os seus recursos. A L2 Capital Partners não comercializa cotas de fundos e/ou clubes de investimento ou qualquer ativo financeiro. Conheça nossa Política de Voto.