Cuidado com os bonds

Por Rafael Siqueira

Uma coisa certamente aprendemos com a eleição de 2014, o Brexit e a eleição presidencial americana: não podemos acreditar piamente nas pesquisas eleitorais. O mercado, de uma forma geral, foi tomado por grande surpresa desde o início da apuração dos votos na noite de terça-feira. Isso, obviamente, gerou movimentos expressivos em moedas, commodities, futuros, ações e bônus. Ao longo do dia, os ânimos parecem ter se acalmado e boa parte dos ganhos/perdas foram atenuadas, havendo inclusive reversões de alta para baixa e vice-versa. Aos poucos, os participantes parecem digerir os acontecimentos e tentar antever os possíveis impactos.

Ao se acompanhar o noticiário nacional, americano e europeu, percebe-se que mídia já não se importa mais com a imparcialidade e deixa explícita sua preferência. Chama a atenção, particularmente, o que está sendo veiculado na imprensa alemã. Trump está sendo chamado de irracional, insensato, indisciplinado e descontrolado, o declaram inimigo e decreta-se o fim da relação amigável quase centenária entre os EUA e a Europa, atribuindo à Alemanha, ainda, o papel de mantenedora dos valores ocidentais.

Trump, um outsider, conseguiu ascender ao cargo político mais importante do planeta, apesar do claro esforço contrário da grande mídia, das grandes instituições e personalidades e do “abandono” do próprio partido Republicano. Seu discurso inflamado, de alguma forma atingiu a população cansada da classe política e insatisfeita com piora no padrão de vida norte-americano, confirmando nossa tese de que não há recuperação alguma por lá. Ajudou também a grande rejeição à candidata democrata. Em proporções muito mais modestas, vimos os também outsiders Kalil e Doria, se elegerem para prefeitura de importantes cidades brasileiras. Não é nossa intenção registrar um posicionamento político, mas sim salientar uma clara tendência.

As propostas do eleito, algumas com tom populista e protecionista, envolvem esforços no setor de infraestrutura e de saúde, revisão de tratados comerciais e redução drástica na tributação de empresas. O fato dos republicanos deterem maioria nas duas casas do congresso pode indicar que o caminho deve ser menos árduo para aprovação de medidas capitais, como a extinção do Obamacare, mas é importante lembrar que Trump está longe de ser uma unanimidade no próprio partido. Como, quando e se as propostas irão à frente permanecem incógnitas.

O que podemos esperar a partir de agora é uma maior volatilidade nos próximos meses, dadas as incertezas com relação à condução da economia e política norte-americana.

Um movimento em especial merece destaque: os yields dos Treasuries estão sofrendo elevada apreciação. Se o FED não sobe a taxa, o mercado o faz. Começamos a duvidar que o FED vá subir a taxa de juros em dezembro e que provavelmente até vá cortá-la no ano que vem. O mercado prevalece e uma correção significativa é de se esperar em bonds com duration mais longo.

Mais uma vez, recomendamos aos nossos clientes uma exposição aos metais preciosos (na forma física, de preferência, ou através de ações de mineradoras) e a venda de bonds com vencimento após 2020-22.

Comentários

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios
Pesquisar
Publicações Recentes
Sem categoria

Energia Limpa, sim senhor!

Essa semana fomos surpreendidos por temperaturas muito abaixo do normal até mesmo para essa época do ano em várias regiões dos EUA, com destaque para

Continuar lendo

Contato

Brasil
Vila da Serra, Nova Lima - MG
CEP: 34.006-059

Dev by

É recomendada ao investidor a leitura cuidadosa do prospecto e do regulamento ao aplicar os seus recursos. A L2 Capital Partners não comercializa cotas de fundos e/ou clubes de investimento ou qualquer ativo financeiro. Conheça nossa Política de Voto.