Adeus, presidente!

Imagine que você contrate uma presidente para a sua empresa a preço de ouro. Na entrevista, essa até então candidata a presidente omitiu vários “detalhes” que seriam cruciais para a decisão sobre a sua contratação, tais como performance passada (ela esteve na cadeia, quebrou várias outras empresas por onde passou, nunca se deu bem com subordinados, etc.), objetivos (tomar a empresa para si e seus amigos) e, principalmente, performance futura (promessas vazias para impressionar). Mas você realmente gostou da maneira como alguns amigos e conhecidos falaram dessa candidata e decidiu contratá-la.

Logo após seu início na empresa, as coisas foram de mal a pior. A empresa começou a contratar gente sem qualificação necessária somente para preencher uma “função social” no bairro onde a empresa se instalou. Embora tivesse contratado mais funcionários, se recusava a delegar responsabilidades e atribuições, mas quando o fazia, intervinha e desautorizava as decisões dos gerentes e diretores, acreditando ser a mais sapiente e capacitada de todos, em todas as áreas, sem exceção.

A empresa implementou um plano de economia de energia, que acabou custando praticamente o dobro do valor da energia pago antes. Além disso, exigiu de empresas coligadas que baixassem o preço de suas mercadorias e serviços para favorecer o crescimento de clientes.

Começou um plano de doações para entidades ilegais sem CNPJ para formar um exército em caso de demissão da presidente ajudar ao próximo (essa presidente é realmente bondosa, especialmente com o dinheiro dos outros).

Essa presidente começou a emprestar dinheiro da empresa a juros subsidiados para empreiteiras amigas que iam superfaturar obras promover o desenvolvimento da empresa.

Não satisfeita, representava a empresa em todos os eventos e congressos, nos quais proferia discursos sem nexo algum, manchando a imagem da companhia.

E inúmeras outras falcatruas e indiligências se seguiram…

Como você descobriu logo depois, a presidente não tinha a menor condição de se manter no cargo, após ter trocado os pés pelas mãos incontáveis vezes e estar levando a empresa à bancarrota!

Você marca uma reunião e lhe dá o aviso prévio. Ela ainda tem 30 dias para se manter no cargo antes de sua demissão. E o que acontece?

Essa presidente aumenta o ritmo das baixarias que estava fazendo na sua empresa: liga para os clientes e diz que está sendo demitida sem justa causa, libera ainda mais recursos da empresa para entidades ilegais, diminuindo ainda mais as receitas e aumentando os gastos, sabendo perfeitamente que isso vai custar anos de trabalho, vários empregos e milhões de reais em reestruturações.

Não poderia o dono da empresa expor a funcionária? O Brasil deveria fazer o mesmo… Cadeia ainda é o lugar de bandido!!

Comentários

    Josy
    2 de May de 2016

    Verdade!! Todo presidente ou qqr outro cargo na nação deveria ser tratado igual a um executivo de uma empresa!!

    0
    0
    lauro araujo
    2 de May de 2016

    não entregou o que prometeu sai, é assim em qualquer lugar. Portanto prometa com responsabilidade e trabalhe duro para cumprir.

    0
    0
    Thomas Fink
    3 de May de 2016

    Parabens Marcelo. Sempre escrevendo bem!!!!

    0
    0

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios
Pesquisar
Publicações Recentes
Sem categoria

Energia Limpa, sim senhor!

Essa semana fomos surpreendidos por temperaturas muito abaixo do normal até mesmo para essa época do ano em várias regiões dos EUA, com destaque para

Continuar lendo

Contato

Brasil
Vila da Serra, Nova Lima - MG
CEP: 34.006-059

Dev by

É recomendada ao investidor a leitura cuidadosa do prospecto e do regulamento ao aplicar os seus recursos. A L2 Capital Partners não comercializa cotas de fundos e/ou clubes de investimento ou qualquer ativo financeiro. Conheça nossa Política de Voto.