A hora da Netflix

Após escrevermos sobre a Tesla, essa semana concentramos nossos esforços em outra gigante do setor de tecnologia: a Netflix.

As ações, que atingiram a máxima histórica há poucas semanas, já devolveram parte dos ganhos e estão sendo negociadas a pouco menos de US$300. A empresa, cuja atual capitalização de mercado passa dos $128 bilhões, acumulando um ganho de cerca de 50% em 2018, está super otimista com relação ao crescimento para os próximos anos.

E, aparentemente, ela tem razões para isso. Seu negócio vem crescendo a uma taxa superior a 30% ao ano há algum tempo e tem previsão de crescimento de 39,8% para o primeiro trimestre de 2018 – nada mal.

Se olharmos para o lucro do ano passado, de US$1,25/ação, os papéis estão sendo negociados a 234 vezes seu lucro. Se assumirmos que a empresa vá crescer 35% em 2018, tudo o mais constante, o P/L (preço sobre o lucro) deve cair para “apenas” 173 vezes – definitivamente, não é uma barganha.

Especialmente, se olharmos para o setor e notarmos que estão entrando quatro competidores de peso: Google, Facebook, Amazon e Disney (que está comprando a 21st Century Fox). A conferência de investidores do final do ano passado chamou minha atenção por ter sido gravada e não ao vivo, como a maioria das empresas faz, e por ter permitido que somente um analista fizesse perguntas, o que é uma outra aberração. Nessa oportunidade, o CEO, Reed Hastings, se mostrou tranquilo com relação aos competidores.

O mercado em que ela atua está crescendo e ainda existem oportunidades de crescimento para todos, mas em alguns anos, será uma brincadeira de “rouba-monte” e os mais “ricos” sobreviverão. A Google, a Disney, o Facebook e a Amazon têm caixa – o mesmo não podemos dizer da Netflix, que depende do mercado de dívida para não afundar. Ano passado eles conseguiram aumentar os preços em 10%, especialmente por causa das novas séries que são um sucesso, mas que implicam num altíssimo custo.

Acredito que nos próximos anos, o crescimento no número de aquisições (novos clientes) entrará em declínio. A empresa deve ter um fluxo de caixa livre negativo esse ano entre US$3 e US$4 bilhões. Em outras palavras, podemos esperar mais emissões de bonds. Os existentes já são classificados pela Moody’s como “junk”, ou grau especulativo, com rating B1. Com a taxa de juros subindo, é de se esperar uma despesa financeira maior e, consequentemente, lucros (se existirem) menores.

Netflix espera “investir” cerca de US$8 bilhões em conteúdo esse ano, o que não é uma quantia pequena. Reconheço que as séries são muito boas, entretanto o custo está ficando alto demais. A empresa, que vem queimando caixa há anos, gosta de reportar sua dívida em relação à capitalização bursátil.  Mas quem não gostaria? Afinal o mercado a está precificando para a perfeição, atribuindo uma relação Preço/Lucro superior a 200!!! Achamos essa comparação inútil. Se as ações caírem, esse índice pode ficar feio muito rapidamente.

A dívida hoje está em US$6,5 bilhões com vencimentos esparsos no tempo, mas, como mencionamos acima, deve subir ainda mais esse ano. A empresa precisa captar por meio de bonds para poder se manter solvente, porém o mercado de bonds se fecha de tempos em tempos. Além do mais, é importante notar um dado que poucos observam, especialmente porque está fora do balanço, que é a dívida contratada para conteúdo, que passou dos US$15 bilhões.

Uma crise nos mercados pode acabar com o sonho e sem acesso a novas emissões de bonds, a empresa poderá se ver obrigada a diminuir investimentos em conteúdo para preservar o caixa (hoje em US$2,8 bilhões), fazendo como que os investidores acordem da ilusão de crescimento absurdo e se atentem para o fator queima de caixa e a própria solvência do negócio.

Acho que os riscos para a Netflix estão aumentando e os retornos já estão precificados. Hora de abandonar o barco.

Comentários

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios
Pesquisar
Publicações Recentes
Sem categoria

Energia Limpa, sim senhor!

Essa semana fomos surpreendidos por temperaturas muito abaixo do normal até mesmo para essa época do ano em várias regiões dos EUA, com destaque para

Continuar lendo

Contato

Brasil
Vila da Serra, Nova Lima - MG
CEP: 34.006-059

Dev by

É recomendada ao investidor a leitura cuidadosa do prospecto e do regulamento ao aplicar os seus recursos. A L2 Capital Partners não comercializa cotas de fundos e/ou clubes de investimento ou qualquer ativo financeiro. Conheça nossa Política de Voto.