Em setembro de 2018, escrevi um artigo para o InfoMoney intitulado “Cannabis: só doidão investe”. Nele, falava sobre a Tilray, empresa do setor de cannabis que era a queridinha do mercado.

Na época, suas ações eram negociadas a quase US$300 e a empresa tinha um valor de mercado de US$20 bilhões. Mencionei que o valuation da empresa estava na estratosfera e que ela estava sendo negociada a um inacreditável múltiplo de 555 vezes sua receita – múltiplo extremamente alto, até mesmo para uma empresa de tecnologia.

Disse ainda que o mercado de cannabis é um mercado de crescimento por vários motivos, mas que a empresa estava superavaliada e que isso raramente significa bons retornos à frente. Hoje as ações da empresa valem na bolsa pouco mais de US$3 e a capitalização de mercado é de US$1,7 bilhão, ou seja, uma queda de mais de 90% no valor de mercado e de quase 99% no preço da ação.

Passados alguns anos, voltei a olhar para o setor, porém estou vendo uma oportunidade boa demais para deixar passar. O mercado continua crescendo – ele mais que triplicou de lá para cá – e novos usos e produtos estão sendo desenvolvidos. Apesar disso, os valuations das empresas estão nas mínimas históricas – e isso, para mim, significa oportunidade.

Risco é algo difícil de se mensurar, mas definitivamente não concordo com a definição adotada pela maioria dos bancos e corretoras. Segundo esses agentes financeiros, risco tem sido encarado simplesmente como uma medida estatística de volatilidade, normalmente desvio-padrão. Prefiro uma abordagem prática de risco como sendo a chance de se perder dinheiro no longo-prazo.

Acredito que a chance de se perder dinheiro no investimento em cannabis no momento é muito baixa. Tendo dito isso, é importante frisar que a maioria absoluta das empresas do setor perde dinheiro e vai desaparecer, mas algumas empresas se destacarão e crescerão ainda mais – é importante selecionar bem e fazer um due diligence meticuloso nos potenciais alvos de investimento.

Esse texto não constitui uma recomendação de investimento. Nenhuma decisão deve ser tomada com base nas informações aqui contidas.

O autor está engajado na compra de ativos de cannabis para carteira proprietária e/ou de clientes sob sua gestão.

Comentários

Deixe seu comentário

Todos os campos são obrigatórios
Pesquisar
Publicações Recentes

PODCAST – Jesse Redmond – Cannabis

Neste episódio, Marcelo Lopez teve uma conversa muito interessante com Jesse Redmond, Head de Cannabis da Water Tower Research. Jesse discutiu a situação atual do mercado de cannabis nos EUA, os possíveis gatilhos e as perspectivas de investimento. Redmond também explicou o papel que os estados desempenham neste universo, os catalisadores políticos existentes, incluindo a SAFE Banking Act, revisão de cronograma, questões relacionadas a impostos e o que esperar do memorando de Garland.

Continuar lendo

Podcast #36: Jim Grant – Global Markets

Neste episódio, Marcelo Lopez teve uma conversa muito interessante com Jim Grant, fundador e editor do Grant’s Interest Rate Observer. Jim falou sobre os muitos riscos que estão presentes nos mercados hoje, de private equity a títulos de alto rendimento. Além disso, Jim deu sua opinião sobre taxas de juros e inflação e seus possíveis impactos na economia. Ele também nos deu palestras sobre sua commodity preferida, o ouro, e falou sobre energia nuclear e urânio. Por último, mas não menos importante, ele nos deixou 3 excelentes recomendações de livros.

Continuar lendo
Sem categoria

Energia Limpa, sim senhor!

Essa semana fomos surpreendidos por temperaturas muito abaixo do normal até mesmo para essa época do ano em várias regiões dos EUA, com destaque para

Continuar lendo

Dev by

É recomendada ao investidor a leitura cuidadosa do prospecto e do regulamento ao aplicar os seus recursos. A L2 Capital Partners não comercializa cotas de fundos e/ou clubes de investimento ou qualquer ativo financeiro. Conheça nossa Política de Voto.