Carvão mineral – a oportunidade da vez

ESG é a sigla que significa Environmental, Social and Governance (meio ambiente, social e governança). Essa é a nova moda no mundo dos investimentos. Como toda moda, está crescendo e atraindo adeptos. Semana passada, Larry Fink, fundador da BlackRock, anunciou que a gigante gestora americana passará a focar mais em investimentos “sustentáveis” e está se desfazendo das posições ligadas a carvão. Segundo Fink, a BlackRock não mais investirá em empresas que tenham uma parcela superior a 25% de sua receita advinda do carvão.

Fink, obviamente uma pessoa muito inteligente e bem conectada, já está sentindo a mudança que deve acontecer nos próximos anos e está se antecipando a ela. Não vou entrar nos detalhes sobre os méritos da questão do aquecimento global, mas quando uma gestora que controla mais de US$7 trilhões em investimentos anuncia que está efetuando uma mudança como essa, temos que prestar atenção.

Essa semana em Davos, Suíça, a elite mundial se reúne para discutir o que fazer com relação ao aquecimento global. Mais de 1.500 jatinhos passam pelo aeroporto da cidade – imagino que sejam movidos a hidrogênio, que não polui, claro. Mas eu divago. O meu ponto aqui é que haverá uma pressão forte nas grandes gestoras e em outras empresas para que elas se desfaçam de posições consideradas poluentes.

Gás natural e LPG não estão entre elas, embora também sejam poluentes. Alguém vai ter que começar a perguntar o porquê disso. Eu poderia até ser um pouco cínico e especular que empresas grandes, como a francesa Total, por exemplo, estariam forçando esse tipo de movimento, já que o gás é o maior vetor de crescimento da companhia, é mais fácil ter reservas expandidas, tem produção mais rápida, é mais barato e, consequentemente, mais lucrativo – mas não vou fazer isso. 

O que realmente nos interessa é buscar oportunidades e acredito que várias aparecerão nos próximos meses, especialmente no setor de carvão mineral. O consumo da commodity cresceu 1,4% no ano passado, ainda é muito importante para o mundo e, apesar da queda esperada no futuro, não vejo o desaparecimento desse setor nos próximos anos. 

China e Índia, responsáveis por grande parte do crescimento mundial e, por conseguinte, pela maior demanda por energia, têm o carvão como maior fonte energética, tal como pode ser visto no gráfico abaixo. Não há como mudar isso rapidamente, embora ambos estejam investindo pesadamente em fontes limpas, como a energia nuclear.

Fonte: BP

Como podemos ver pelo gráfico abaixo, o crescimento do uso de energia é algo que vem ocorrendo com uma incrível regularidade, o que torna razoavelmente fácil modelar o crescimento esperado para os próximos anos.

Fonte: BP

Os EUA possuem as maiores reservas provadas (dados de 2018), responsáveis por praticamente 24% do carvão no mundo. Como é mais fácil encontrar barganhas nos EUA e lá a legislação é mais séria (já contatei empresas da Mongólia, da China e de outros lugares e as conversas não foram adiante), é lá mesmo que vou buscar.

A situação nos EUA, por sinal, parece ideal para um caçador de barganhas. Há poucos meses, a Murray Energy, maior mineradora de carvão do país, entrou com um pedido de falência. A reputação do setor está em baixa e estão sofrendo uma competição acirrada do gás natural, que está sobrando. Greta Thunberg, Larry Fink e outros falarão em Davos sobre o problema, piorando a percepção da opinião pública com relação ao carvão.

Pois em um cenário assim, vale a pena buscar oportunidades. E é justamente o que estou fazendo. Por ora, não vou citar o nome da empresa, porque ainda não montei uma posição adequada. Ademais, quero aguardar uma possível queda no preço das ações, após anúncio de venda pela BlackRock e por outras que certamente seguirão – instituições detém quase 60% do capital social da companhia e, como era de se esperar, a BlackRock é um dos principais acionistas.

Posso adiantar que a empresa que estou analisando está sendo negociada um preço equivalente a apenas 20% das vendas, pouco mais de 30% do valor patrimonial, paga um bom dividendo de quase 7% a.a., possui relativamente baixo endividamento e está bem perto das mínimas históricas. Além do que, os diretores estão comprometidos com o negócio e estão comprando ações.

Existem vários riscos no negócio e no setor, mas é nessas horas que encontramos barganhas. 

Disclaimer: Esse texto reflete a opinião do autor e não constitui uma sugestão, recomendação, indicação e/ou aconselhamento de investimento. Nenhuma decisão de investimento deve ser tomada com base nas informações ora apresentadas, cabendo unicamente ao investidor a responsabilidade sobre qualquer decisão que venha a tomar.

O autor detém e negocia ativos ligados ao tema abordado em sua carteira proprietária e/ou na de clientes sob sua gestão remunerada.

Comments

Leave a Comment

All fields are mandatory
Search
Recent Publications
Media

InfoMoney TV

In this conversation, Marcelo López talks about investments abroad and the investment thesis in uranium. At the end, a few comments about Tesla.

Read more

Dev by

Investors are advised to carefully read the prospectus and the regulations when investing their funds. L2 Capital Partners does not sell shares in investment funds and / or clubs or any financial asset. Get to know our Voting Policy ..